???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.uea.edu.br/jspui/handle/tede/257
Tipo do documento: Dissertação
Título: Paratextos de edições brasileiras do Quixote
Título(s) alternativo(s): Paradoxes of Brazilian editions of Quixote
Autor: Fonseca, Maria Gabriella Flores Severo 
Primeiro orientador: Cavalheiro, Juciane dos Santos
Primeiro membro da banca: Cavalheiro, Juciane dos Santos
Segundo membro da banca: Cobelo, Silvia Beatriz
Terceiro membro da banca: Silva, Allison Marcos Leão da
Quarto membro da banca: Celedón, Esteban Reyes
Quinto membro da banca: Matos, Mauricio Gomes de
Resumo: O estudo do Quixote é extenso e variado. Inúmeros pesquisadores vêm se debruçando sobre seus diversos aspectos e sobre seu autor, Miguel de Cervantes Saavedra. Por isso, o interesse por sua recepção crítica é inesgotável. Uma das maneiras de aprofundar sua recepção crítica no Brasil é analisar o maior número de edições do Quixote com o intuito de verificar seus paratextos, como: apresentações, prefácios e posfácios. Suas análises podem permitir compreender os tipos de leituras feitas sobre a obra, a saber, um discurso realista, que compreende que a questão satírica é central na obra; ou um discurso romântico, que adequa a interpretação a questões exteriores ao contexto da escrita de Cervantes. Para o aprofundamento desse estudo crítico, foram utilizadas nove edições brasileiras do Quixote. Levou-se em consideração, para essa escolha, a representação de pelo menos uma edição de cada tradutor, publicados para editoras no Brasil. Para algumas traduções, considerou-se relevante trazer mais de uma edição devido à relevância de seus paratextos. Utilizou-se, para a seleção, as tabelas explicativas de edições de Cobelo (2009) e Cavalheiro et al (2014), que realizaram um exaustivo trabalho de coleta e detalhamento das edições. Verificou-se, nas análises, tanto uma leitura romântica, que desconsidera, muitas vezes, o cômico da obra, assim como uma interpretação realista. A respeito do discurso sobre tradução, observou-se a recorrência de os tradutores afirmarem ter feito acréscimos ou alterações no estilo e conteúdo da obra para se adequar à realidade de seu público. Isto demonstra que o leitor, ao ter acesso a uma das sete traduções do Quixote no Brasil, terá a cada vez uma diferente experiência de leitura, pois cada tradutor adequa a obra a seu estilo e interesse. Conclui-se, portanto, que a realização dessas análises contribui para um enriquecimento do estudo crítico do Quixote, pois não se considera os paratextos elementos menores na conjuntura de um livro, mas se entende ser o livro tomado pelo leitor em sua totalidade, e os paratextos fazem parte de sua apreensão e influenciam a leitura da obra literária.
Abstract: El estudio del Quijote es extenso y variado. Numerosos investigadores han estudiado detenidamente diversos aspectos de esta obra y su autor, Miguel de Cervantes Saavedra. Por lo tanto, el interés por su recepción crítica es inagotable. Una forma de profundizar la recepción crítica es recopilando las ediciones del Quijote publicadas en Brasil con el fin de analizar sus paratextos, tales como presentaciones, prólogos y epílogos. Sus análisis pueden permitir una comprensión de los tipos de lecturas tomadas hechas, a saber, un discurso realista, que compreende la questión satírica como central en la obra, o un discurso romántico, que adequa la interpretación a questiones exteriores al contexto de la escrita de Cervantes. Además, se trató de verificar el discurso sobre el proceso de traducción de la obra entre los editores y traductores en sus paratextos. Para profundizar en este estudio crítico, se seleccionaron diez ediciones brasileñas del Quijote. Se tuvo en cuenta, para esta elección, la representación de al menos una edición de cada traductor que publicó para las editoras en Brasil. Se utilizan, para la selección, las tablas explicativas de Cobelo (2009) y Caballero et al (2014), que llevaron a cabo el trabajo de compilar y detallar las ediciones. Se observó en el análisis tanto una lectura romántica, que desconsidera, muchas veces, el cómico de la obra, así como una interpretación realista. En cuanto al discurso sobre la traducción, se ha observado que es común los traductores afirmaren haber hecho acrecimos o cambios en el estilo y contenido de la obra para adaptarse a la realidad de su público. Esto demuestra que el lector, al tener acceso a una de las siete traducciones del Quijote en Brasil, tendrá cada vez una experiencia de lectura diferente, ya que el traductor adecua la obra a su estilo e interés. Concluimos, por tanto, que la realización de estos análisis contribuyen a un enriquecimiento del estudio crítico del Quijote, porque no tiene en cuenta los paratextos como elementos menores en la articulación de un libro, pero se entiende el libro tomado por el lector en su totalidad, y que los paratextos los detienen e influyen en su manera de leer la obra literaria.
Palavras-chave: Quixote
Edições brasileiras - Quixote
Paratextos editoriais
Recepção Crítica.
Tradução
Área(s) do CNPq: LETRAS::TEORIA LITERARIA
LETRAS::LITERATURAS CLASSICAS
Idioma: por
País: Brasil
Instituição: Universidade do Estado do Amazonas
Sigla da instituição: UEA
Departamento: Escola Superior de Artes e Turismo ESAT::PROPESP
Programa: Letras e Artes
Citação: Fonseca, Maria Gabriella Flores Severo. Paratextos de edições brasileiras do Quixote. 2017. 361 f. Dissertação( Letras e Artes) - Universidade do Estado do Amazonas, Manaus.
Tipo de acesso: Acesso Aberto
Endereço da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/
URI: http://tede.uea.edu.br/jspui/handle/tede/257
Data de defesa: 21-Mar-2017
Appears in Collections:DISSERTAÇÕES - PPGLA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Paratextos de edições brasileiras do Quixote.pdfDocumento principal - Dissertação3,68 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons