???item.export.label??? ???item.export.type.endnote??? ???item.export.type.bibtex???

Please use this identifier to cite or link to this item: http://tede.uea.edu.br/jspui/handle/tede/240
Full metadata record
DC FieldValueLanguage
dc.creatorZurra , Raiziana Mary de Oliveira-
dc.contributor.advisor1Pasa, Maria Corette-
dc.contributor.referee1Pasa, Maria Corette-
dc.contributor.referee2Silva, Maria de Fátima Vilhena da-
dc.contributor.referee3Ferreira, Gecilane-
dc.contributor.referee4Guarim Neto, Germano-
dc.contributor.referee5Higuchi, Maria Inês Gasparetto-
dc.date.accessioned2017-06-01T19:01:24Z-
dc.date.issued2017-02-14-
dc.identifier.citationZurra , Raiziana Mary de Oliveira. Aproximações das representações de ciências por estudantes da educação de jovens e adultos em comunidades rurais de Tefé-Am à etnociencia. 2017. 212 f. Tese (Educação e Ensino de Ciências na Amazônia) - Universidade do Estado do Amazonas, Manaus.por
dc.identifier.urihttp://tede.uea.edu.br/jspui/handle/tede/240-
dc.description.resumoA tese apresenta o resultado de uma pesquisa de campo realizada com estudantes e professores envolvidos em atividades pedagógicas em turmas de Educação de Jovens e Adultos (EJA) em três escolas municipais situadas na localidade de Bacuri, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro e Santa Cruz, comunidades rurais do município de Tefé/Amazonas. A pesquisa teve como objetivo investigar as representações dos conteúdos do currículo de Ciências Naturais na realidade comunitária dos estudantes rurais de EJA das escolas municipais de Tefé-AM e as implicações desencadeadas pela contextualização. A análise teve como eixo norteador os saberes sábios, ou seja, conhecimentos científicos representados no currículo, e os saberes primevos (produzidos na/da ação), evidenciados no cotidiano dos sujeitos da pesquisa. O estudo tem cunho qualitativo, etnobiológico, amparado no referencial teórico-metodológico da Teoria das Representações Sociais. A obtenção dos dados se deu por meio da observação participante, sendo essas observações registradas em diário de campo, aliada à análise das narrativas das entrevistas dos educadores, comunitários e estudantes, grupos focais, análise de proposta pedagógica e aulas. A estratégia mais representativa para o desvelamento do problema foi a análise da contextualização do ensino dos conteúdos de Ciências Naturais pelo viés da narrativa etnobotânica dos estudantes comunitários. A análise dos dados evidenciou relações estreitas entre a qualidade e dimensão das representações dos conteúdos do currículo de Ciências nas escolas de pesquisa e as concepções de ensino contextualizado presentes na Proposta Curricular da Educação de Jovens e Adultos do Amazonas. O estudo demonstrou também que os conteúdos das narrativas apresentam idiossincrasias profundas acerca do saber etnobotânico dos sujeitos pesquisados, saber esse que ainda precisa encontrar repercussão nas escolas do campo na modalidade de Educação de Jovens e Adultos (EJA), de forma a possibilitar maior interação entre o ensino de Ciências Naturais e a realidade comunitária dos estudantes ribeirinhos de EJA das escolas municipais de Tefé/AM. Assim, os resultados ratificam a importância da contextualização enquanto diretriz metodológica, contudo essas concepções de contextualização deverão ser amplamente discutidas já que o delineamento delas conduzirá a ações pedagógicas que poderão ampliar ou engessar condutas e representações do estudante da modalidade em sua realidade cognitiva, cultural e ambiental.por
dc.description.abstractThis thesis presents the results of a field survey conducted with students and teachers involved in educational activities for youth and adult education groups (EJA) in three municipal schools located in Bacuri, Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, and Santa Cruz, rural communities in the municipality of Tefé, Amazonas. The objective of this research was to investigate representations of natural sciences curriculum content in the shared reality of rural EJA students in Tefé’s municipal schools and the implications resulting from contextualization. The guiding point of this analysis was wise knowledge, in other words, scientific knowledge represented in the curriculum and primeval knowledge (produced in/from action) as evidenced in the daily life of the research subjects. The study was qualitative and ethnobiological in nature, and its theoretical and methodological base was the theory of social representations. Data was collected through participant observation, with these observations recorded in a field journal, combined with analysis of the narratives of interviews with educators, community members and students, focus groups, and analysis of syllabi and classes. The most representative strategy for revealing the problem was analysis of the contextualization of teaching natural sciences content through the bias of the ethnobotany narrative of the students. Analysis of the data showed close ties between the quality and the dimension of the representations of the science curriculum content in the schools under study and the conceptions of contextualized teaching which were present in the syllabus for EJA groups in Amazonas. The study also showed that the content of the narratives exhibited profound idiosyncrasies around the ethnobotanical knowledge of the individuals studied, knowledge that still needs to gain repercussions in schools in the field in the youth and adult education modality so that it can allow greater interaction between the teaching of natural sciences and the reality of the riverside communities in which the EJA students in the municipal schools of Tefé dwell. Consequently, the results affirm the importance of contextualization as a methodological directive, but these conceptions of contextualization should be broadly debated since their demarcation will lead to pedagogical activities that can broaden or reinforce conduct and representations of students in this modality which consider their cognitive, cultural, and environmental realities.eng
dc.description.provenanceSubmitted by Biblioteca Central (bibliotecacentral@uea.edu.br) on 2017-06-01T18:58:58Z No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Aproximações das representações de ciências por estudantes Tese.pdf: 5902060 bytes, checksum: 4446b01a2c9463a2eed305b8f0d3900a (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Biblioteca Central (bibliotecacentral@uea.edu.br) on 2017-06-01T19:00:43Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Aproximações das representações de ciências por estudantes Tese.pdf: 5902060 bytes, checksum: 4446b01a2c9463a2eed305b8f0d3900a (MD5)eng
dc.description.provenanceApproved for entry into archive by Biblioteca Central (bibliotecacentral@uea.edu.br) on 2017-06-01T19:01:24Z (GMT) No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Aproximações das representações de ciências por estudantes Tese.pdf: 5902060 bytes, checksum: 4446b01a2c9463a2eed305b8f0d3900a (MD5)eng
dc.description.provenanceMade available in DSpace on 2017-06-01T19:01:24Z (GMT). No. of bitstreams: 2 license_rdf: 0 bytes, checksum: d41d8cd98f00b204e9800998ecf8427e (MD5) Aproximações das representações de ciências por estudantes Tese.pdf: 5902060 bytes, checksum: 4446b01a2c9463a2eed305b8f0d3900a (MD5) Previous issue date: 2017-02-14eng
dc.formatapplication/pdf*
dc.thumbnail.urlhttp://tede.uea.edu.br/jspui/retrieve/1586/Aproxima%c3%a7%c3%b5es%20das%20representa%c3%a7%c3%b5es%20de%20ci%c3%aancias%20por%20estudantes%20Tese.pdf.jpg*
dc.languageporpor
dc.publisherUniversidade do Estado do Amazonaspor
dc.publisher.departmentEscola Normal Superior ENS::PROPESPpor
dc.publisher.countryBrasilpor
dc.publisher.initialsUEApor
dc.publisher.programEducação e Ensino de Ciências na Amazôniapor
dc.relation.referencesABREU, Waldir F. de; OLIVEIRA, Damião B.; SILVA, Érbio dos S. Educação ribeirinha: saberes, vivências e formação no campo. 2. ed. GEPEIF-UFPA, Belém, 2013. ADORNO, Theodor. Educação e emancipação. Debate. Hessen, 13 agos. 1968. Programa de rádio. ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP. 2009. An update of the phylogeny group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society 161(2): 105-121 AGUILAR, T., (1999). Alfabetización científica para la ciudadanía. Madrid: Narcea. ALBUQUERQUE, U. P. de & LUCENA, R. F. P. de. Métodos e técnicas na pesquisa etnobotânica. Recife: Editora Livro Rápido/NUPEEA, 2004. ALMEIDA, Maria A. de. Conhecimento ecológico tradicional sobre aves para a gestão do ecoturismo no Parque Nacional do Pantanal Matogrossense. 2011.180f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) Universidade do Estado do Mato Grosso. Cárceres, Mato Grosso do Sul, 2011. ALVES, A. G. C.; SOUTO, F. J. B. Etnoecologia ou etnoecologias? Encarando a diversidade conceitual. In: Ângelo Giuseppe Chaves Alves; Francisco José Bezerra Souto; Nivaldo Peroni (Orgs.). Etnoecologia em perspectiva: natureza, cultura e conservação. Recife: Nupeea, 2010, p. 17-3. Disponível em:<www.scielo.br/scielo. php?script=sci_nlinks&ref=000234&pid>. Acesso em: 06 mar. 2015. AMAZONAS. Secretaria de Estado da Educação e do Desporto. Proposta Curricular do Amazonas: Educação de Jovens e Adultos, Ensino Fundamental e Médio: Formação Docente para a Educação de Jovens e Adultos. Amazonas, 1998. AMOROZO, M.C.M. Agricultura tradicional, espaços de resistência e o prazer de plantar. In: ALBUQUERQUE, U.P.et al (Orgs.). Atualidades em etnobiologia e etnoecologia. Recife: SBEE, 2002. p.123-131. AMOROZO, M.; GÉLY, A. Uso de plantas por caboclos do baixo Amazonas, Barcarena. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, v. 4, n.1. Série Botânica. Belém: MPEG, 1988. ANDRÉ, Marli E.D.A.de. Pesquisa em educação: buscando rigor e qualidade. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/%0D/cp/n113/a03n113.pdf>. Cadernos de Pesquisa, UESP, 2001. Acesso em: 22 abr. 2015. ______.de. Etnografia da prática escolar. 14 ed. Campinas, SP: Papirus, 2008. ARAGÃO, R. M. R. de. ‘É para ler Professora? Investigando a leitura na Didática 170 das Ciências’. Anais do II ENPEC – Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, Valinhos-SP, 1999. ARENDT, H. A condição humana. RJ: Forense Universitária, 1981. ARROYO, Miguel G. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. ARRUDA, Angela. Teoria das representações sociais e teorias de gênero. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Cadernos de Pesquisa, n. 117, p. 127-147, novembro/ 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/cp/n117/15555.pdf>. Acesso em: 20 jul. 2015>. Acesso em: 06 mar. 2015. ASTOLFI, J.P.; DEVELAY, M. A didática das ciências. 11. ed. São Paulo: Papirus, 2007. AUGRAS, Monique. Psicologia e cultura. Rio de Janeiro: Nau, 1995. AUSUBEL, David. P. A aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982. ______. Conhecimentos prévios sobre a natureza, prática de ensino e formação docente em ciências. Revista FAEEBA, Salvador, v. 15, n. 26, p. 199-210, 2006. BAPTISTA, G. C.; EL-HANI, C. N. The contribution of ethnobiology to the construction of a dialogue between ways of knowing: a case study in a Brazilian public high school. Science & Education, Dordrecht, v. 18, n. 3-4, p. 1-18, 2009. BAPTISTA, G. C. S. A contribuição da etnobiologia para o ensino e a aprendizagem de ciências: estudo de caso em uma escola pública do estado da Bahia. 2007. 188f. Dissertação (Mestrado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2007. BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução Luis Antero Reto; Augusto Pinheiro. São Paulo: Edições 70, 2011. BARRERA, A. La Etnobotânica. In: BARRERA, A (ed.). La etnobotânica: três puntos vista y una perspectiva. Xalapa. Instituto Nacional de Investigadores sobre Recursos Bióticos. p. 19-24 il. 1983. BRANDÃO, C. R. O trabalho de saber: cultura camponesa e escola rural. São Paulo: FTD, 1990. BRASIL. Ministério da Educação, Conselho Nacional de Educação. Parecer 11/2000: Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Relator: Carlos Roberto Jamil Cury. Brasília, 2000. ______. Ministério da Educação. Diretrizes Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos. Brasília. 2000. 171 ______. Educação para Jovens e Adultos: ensino fundamental: proposta curricular - 1º segmento/coordenação e texto final (de) Vera Maria Masagão Ribeiro. São Paulo: Ação Educativa, Brasília: MEC, 2001. ______. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular para a Educação de Jovens e Adultos: segundo segmento do ensino fundamental – 5ª a 8ª séries. Brasília: MEC/SEF, 2002. ______. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio. Brasília: MEC/SEMTEC, 1999. 4v. ______. Ministério da Educação. Orientações curriculares do ensino médio. Brasília, DF, 2004. ______. Secretaria de Educação Fundamental. Proposta Curricular: Ciências Naturais da EJA/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC /SEF, 2002. ______. Decreto nº 6.040, de 7 de fevereiro de 2007. Institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais. Brasília, 7 de fevereiro de 2007. ______. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de hortaliças não-convencionais / Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo. – Brasília: Mapa/ACS, 2010. BAKHTIN, M. Problemas da poética de Dostoiévski. 4. ed. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008 BEGOSSI, A. Ecologia humana: um enfoque das relações homem-ambiente. Interciência. May-june, 18 (3): 121-130. 1983. BEGOSSI, A etal. Ecologia de pescadores da Mata Atlântica e da Amazônia. São Paulo; Hucitec: Nepam / Unicamp: Nupaub /USP:Fapesp,2004. BELTRÃO, Otto G. de A.Realidade da Amazônia brasileira.4ª ed.Manaus:S.n,2010. BERGER, Peter L. & LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade - Tratado de Sociologia do Conhecimento. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. BERNSTEIN, B. Pedagogy, symbolic control and identity: theory, research, critique. 2. ed. Oxford: Rowman & Litttlefield, 2000. BORDA, O.F. Aspectos teóricos da pesquisa participante: considerações sobre o significado e o papel da ciência na participação popular. In: BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa participante. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1999. p. 42-62. BOTERF, Guy Le. Pesquisas participantes: propostas e reflexões metodológicas. In: BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1999. 172 BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. da UNESP, 2004. BRANDÃO, C. R. (Org.). Pesquisa participante. 8. ed. São Paulo: Brasiliense, 1999. ______. Cultura popular e educação na América Latina: um olhar muitos anos depois. In: Diálogos sem fronteiras: história, etnografia e educação em culturas Ibero-Americanas, Belo Horizonte: Autêntica, 2014. BUENO, F.S. Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: FTD, 1996. CAMPOS, Mara C. da C.; NIGRO, Rogério G. Teoria e prática em Ciências na escola: o ensino aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 2009. CANCLINI, Nestor G. (1998). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp. CANDAU, Vera M. Sociedade, educação e cultura (s): questões e propostas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. ______. Didática crítica intercultural: aproximações. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. CAPRA. Fritjof. A teia da vida: uma nova compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: Cultrix, 2006. CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1997. CHARLOT, Bernard. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez, 2013. CHASSOT, Attico. A ciência através dos tempos. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2004. Coleção Polêmica. ______. Sete escritos sobre educação e ciência. São Paulo: Cortez, 2008. CHERVEL, A. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação, N. 2. Porto Alegre: Pannonica, 1990. CLIFFORD, Geertz. Nova luz sobre a Antropologia. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. COBERN, W. W. Constructivism and non-western science education research. International Journal of Science Education, Routledge, v. 4, n. 3, p. 287-302, 1996. ______. Teoria e mudança conceitual na ciência da educação. São Paulo, 1996. COBERN, W. W; LOVING, C. C. Defining science in a multicultural world: implications for science education. Science Education, New York, v. 85, n. 1, p. 50-67, 2001. COELHO, M.F.B.; COSTA JÚNIOR, P.; DOMBROSKI, J.L. D. Diversos olhares em Etnobiologia, Etnoecologia e plantas medicinais. Cuiabá: Unicen, 2003. 173 CONNELLY, M.; CLANDININ, J. Relatos de experiência e Investigacion Narrativa. In: LARROSA, J. Dejame que te cuente: ensayos sobre narrativa y educación. Barcelona: Laertes, 1995. COSTA, Ronaldo G. de A. Os saberes populares da etnociência no ensino das ciências naturais: uma proposta didática para aprendizagem significativa. Revista Didática Sistêmica. Volume 8. Julho a dezembro. 2008. COSTA, S. J. D.; STRIEDER, D. M. O ensino de ciências e a educação de jovens e adultos – caminhos para a formação da cultura científica. Anais do I Simpósio Nacional de Educação, XX Semana de Pedagogia. Cascavel, 2008. CRESWELL, John W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e misto. 3. ed. Porto Alegre: Artmed, 2010. DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do ensino de ciências. São Paulo: Cortez, 1990. DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez: Brasília: MEC/Unesco, 1998. DELUIZ, N. Formação do trabalhador: produtividade e cidadania. Rio de Janeiro: Ed. Shape, 1995. DEMO, Pedro. Metodologia da investigação em educação. Curitiba: Ibpex, 2005. DEWEY. John. Experiência e educação. São Paulo, Nacional, 1971. DIEGUES, A.C.; ARRUDA, R.S.V. Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília: MMA; São Paulo: USP, 2001. DIEGUES, A. C. et al. Os saberes tradicionais e a biodiversidade no Brasil, 1999. ______. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: NUPAUB – Núcleo de Apoio à Pesquisa sobre Populações Humanas e Áreas Úmidas Brasileiras – USP, 2000. . DULI, J. L. B. Estudo sobre as estratégias utilizadas pelos alunos na resolução de problemas contextualizados em Cabinda/Angola. /José Lelo Barros Duli – UFMG/FaE, 2014. 124 f., enc. DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. Tradução Helder Godinho. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2002. DURKHEIM, E. A divisão de Serviço Social. Paris: Presses Universitaires de France, 8ª ed. Coleção: Filosofia Contemporânea Library, 1967. DUVEEN, Gerard. Crianças enquanto atores sociais: representações sociais em desenvolvimento. In GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Ogs.). Textos em representações sociais. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. 174 EL-HANI, Charbel N; SEPULVEDA, Cláudia A. S. Referenciais teóricos e subsídios metodológicos para a pesquisa sobre as relações entre educação científica e cultura. In: SANTOS, Flávia M. T; GRECA, Ileana. M. R., A pesquisa em ensino de Ciências no Brasil e suas metodologias. Ijuí – RS: Unijuí, 2006. EL-HANI, C. N; BIZZO, N. M. V. Formas de construtivismo: mudança conceitual e construtivismo contextual. Revista Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Vol. 4, n. 1 (2002),disponível em: <http://www.portal.fae.ufmg.br/seer/index.php/ensaio/article/viewArticle/47>. Acesso em: 16 set. 2015. ESPERANDIO, Mary R. G. Para entender pós-modernidade. São Leopoldo: Sinodal, 2007. FERREIRA, G. C. Diretrizes para coleta e identificação de material botânico. Belém-PA: Embrapa, 2006. FERREIRA, S. P. A; DIAS, M. G. B. B. Leitor e leituras: considerações sobre gêneros textuais e construção de sentidos. Psicologia: reflexão e crítica, 2005, 18 (3), p. 323-229. FURTH, Hans G. Piaget na sala de aula. Rio de Janeiro: Forense, 1970. FLEURI, R.M. Desafios à educação intercultural no Brasil. Florianópolis: MOVER, 1999. ______. Educação intercultural: mediações necessárias. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. FRAKE, C. O. Cultural ecology and ethnography. American Anthropologist. California, v. 64, n. 1, p. 53-59, 1962. FRAXE, Terezinha de J. P. Cultura cabocla-ribeirinha: mitos, lendas e transculturalidade. São Paulo: Annablume, 2004. FRAXE, T. de J. P; WITKOSKI, A. C.; MIGUEZ, S. F. O ser da Amazônia: identidade e invisibilidade. Revista Ciência e Cultura, São Paulo, vol.61 n.3, 2009. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v61n3/a12v61n3.pdf>. Acesso em: 22 ago. 2015. FREIRE, Paulo. Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. São Paulo: Centauro, 2001. ______. Educação como prática de liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2006. ______. Pedagogia da esperança. 3. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992. ______. Pedagogia do oprimido. 50. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011. ______ e MACEDO, Donaldo. Alfabetização: leitura da palavra leitura do mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990 FREITAS, S, N. & CASTRO, S. F. Representação social e educação especial: a representação dos professores de alunos com necessidades educativas especiais incluídos na 175 classe comum do ensino regular. Educação On-Line. Jan 2004. Disponível em: <www.educacaoonline.pro.br> Acesso em: 16 out. 2015. FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Diagnóstico Ambiental da Amazônia. Rio de Janeiro,2004. FURTER, P. Educação permanente e desenvolvimento cultural. Petrópolis: Vozes, 1974. GADOTTI, Moacir. História das ideias pedagógicas. 8. ed. São Paulo: Ática, 2006. GADOTTI, Moacir; ROMÃO, José E. (Orgs.). Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2011. GAJARDO, M. Pesquisa participante na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1986. GARNICA, A.V.M. Algumas notas sobre pesquisa qualitativa e fenomenologia. Botucatu, v.1,n1, 1997. GATTI, Bernadete A. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília: Líber Livro, 2005. GEERTZ, C.A. O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007. GOLEMAN, D. La prática de la inteligência emocional. Barcelona: Editorial Kairós. S.A, 1998. GOTTSCHALL, Carlos A. M. Do mito ao pensamento científico: a busca da realidade de Tales a Einstein. 2. ed. São Paulo: Editora Atheneu; Porto Alegre: Fundação Universitária de Cardiologia, 2004. GUARIM NETO, Germano e tal. Flora, vegetação e etnobotânica: conservação de recursos vegetais no pantanal. Gaia Scientia 2008, 2(2): p-41 - p-46. Disponível em: www.scielo.br/pdf/%0D/abb/v14n3/5177.pdf.Acesso em :10 out.2016. HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A, 2002. JODELET, D. Représentations sociales: un domain en expansion. In: Les Représentations Sociales (D. Jodelet, org.), pp. 31-61, Paris: Presses Universitaires de France, 1989. JODELET, D. A alteridade como produto e processo psicossocial. In: ARRUDA, A. (Org.). 2. ed. Representando a alteridade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. KATO, Danilo S.; KAWASAKI, Clarice S. As concepções de contextualização do ensino em documentos curriculares oficiais e de professores de ciências. Ciência e Educação, v.17. n.1, p.35-50, 2011. ______. O significado pedagógico da contextualização para o ensino de Ciências: análise dos documentos curriculares oficiais e de professores. Disponível em: 176 <http://www.nutes.ufrj.br/abrapec/vienpec/CR2/p782.pdfhttp://www.infoescola.com/biologia/botanica/>. Acesso em: out. 2016. ______. Reformas e realidade: o caso do ensino das ciências. Perspectiva, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000. KIMMERER, R. W. Weaving traditional ecological knowledge into biological education: a call to action. In: BioScience, may, Vol. 52, N0 5, 2002, p. 432-438. KRASILCHIK, M. O professor e o currículo das ciências. São Paulo: EPU, 1987. KRASILCHIK, Myriam; MARANDINO, Martha. Ensino de ciências e cidadania. 2. ed. São Paulo: Moderna, 2007. LABURTHE-TOLRA, P.; WARNIER, Jean-Pierre. Etnologia antropologia. 5. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. LAKATOS, E. Maria; MARCONI, M. de A. Fundamentos de metodologia científica: técnicas de pesquisa. 7 ed. – São Paulo: Atlas, 2010. LAPLANTINE, François. Aprender antropologia. São Paulo: Brasiliense, 2000. LATOUR,B. Nous N’avons jamais été modernes-essai d’anthropologie Symetrique. Paris: La Lécouvert, 1991. LE BOTERF, G. Pesquisa participante: propostas e reflexões metodológicas. In: BRANDÃO, C. R.(Org.). Repensando a pesquisa participante. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 1984. p. 51-81. LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. São Paulo: Editora Nacional e Editora da USP, 1970. LIBÂNEO, J. C. Didática. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2013. LIMA, Déborah M.; POZZOBON, Jorge. Amazônia socioambiental. Sustentabilidade ecológica e diversidade social. In: VIEIRA, I.C. G., et al (org.). Diversidade biológica e cultural da Amazônia. Belém: Museu Paraense Emílio Goeldi, 2001. LOPES, Alice C. The Brazilian curricular parameters for secondary education and the surrender to the productive world: the case of the concept of contextualization. Educ. Soc. [online].sep. 2002, vol.23, no.80 , Disponible en la World Wide Web:<http://www.scielo.br/scielo. LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997. LUDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. de. Pesquisa em educação: abordagem qualitativa. São Paulo: EPU, 1986. 177 MACEDO, E. Ciência, tecnologia e desenvolvimento: uma visão cultural do currículo de ciências. In: LOPES, A. C. e MACEDO, E. (Orgs.). Currículo de ciências em debate. Campinas: Papirus, 2004, p. 119-153. MACEDO, Cristina C. de; SILVA, L. F. Os processos de contextualização e a formação inicial de Professores de Física. Revista Investigações em Ensino de Ciências – V19(1), pp. 55-75, 2014. MACEDO, R.S. A etnopesquisa crítica e multirreferencial nas ciências humanas e na educação. Salvador: EDUFBA, 2000. ______. Etnopesquisa crítica, etnopesquisa-formação. Brasília: Liber Livro Editora, 2006. MAFFESOLI, Michel. O imaginário é uma realidade. Revista Fameco, Porto Alegre, n.15. p. 74-81. 2001. MENDES, Henri M. de A.; CARDOSO, Sheila Pressentim. Análise das concepções prévias dos alunos do 1º ano do Ensino Médio da rede pública acerca do Meio Ambiente e Saúde. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2009, Florianópolis. Anais. Florianópolis: UFSC. Disponível em: <posgrad.fae.ufmg.br/posgrad/viienpec/pdfs/1050.pdf>Acesso em: março de 2014. MINAYO, M. C. de S. (Org.). Pesquisa social: teoria método e criatividade. 17. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL. ______. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 5 ed. São Paulo: Hucitec, 2000. ______. Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. 18. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. MOREIRA, M.A. Investigación en enseñanza: aspectos metodológicos. In: Actas de la I Escuela de Verano sobre Investigación en Enseñanza de las Ciencias. Burgos, Servicio de Publicaciones de la Universidad de Burgos. 2000, p. 13-51. MOREIRA, Antônio F. B.; PACHECO, José A.; GARCIA, Regina L. Currículo: pensar, sentir e diferir. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. MOREIRA, M. A.; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Moraes, 1982. MOREIRA, Marco A.; MASINI, Elcie F. Salzano. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro, 2001. MOREIRA, Antonio Flavio B.; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Currículos, disciplinas escolares e culturas. Petrópolis: Vozes, 2014. MOREIRA, A.F.B.; SILVA, T.T. Currículo, cultura e sociedade. São Paulo: Cortez, 2002. 178 MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. Ijuí: UNIJUÍ, 2007. MORIN, E. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Tradução de Catarina Eleonora F. da Silva e Jeanne Sawaya; revisão técnica de Edgard de Assis Carvalho. 8. ed. São Paulo: Cortez, Brasília, DF: UNESCO, 2003. MORTIMER, E. F. Construtivismo, mudança conceitual e ensino de ciências: para onde vamos? Investigações em ensino de ciências, v.1, n.1, p. 20-39, 1996. MORTIMER, E. F.; SCOTT, P. Construindo conhecimento científico em sala de aula. Pesquisa Educacional, n. 7, p. 5-12, 1994. Tradução de MORTIMER, E. Escola Nova, n. 9, p. 31-40, 1999. MOSCOVICI, S. A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar, 1978. ______. Representações sociais. 11. ed. Petrópolis-Rio de Janeiro: Vozes, 2015. NEWMAN, F; HOLZMAN, L. Lev Vygotsky: cientista revolucionário. São Paulo: Loyola, 2002. NODA, S. N.; MARTINS, A. L. U.; NODA. H.; BRANCO, F. M. C.; MENDONÇA, M. A. F.; MENDONÇA.M. S. et al. (2007). Contexto socioeconômico da agricultura familiar nas várzeas do Amazonas. In: S. N. Noda (Org.). Agricultura familiar na Amazônia das águas. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas. NÓVOA, Antônio (Coord.). Os professores e a sua formação. 2 ed. Lisboa: Dom Quixote,1995. OAIGEN, Edson Roberto. A educação e autonomia do professor: caminhos para a emancipação. Revista Brasileira de Educação. Rio de Janeiro, n.16 Vol.8, jul/dez.1994, disponível em: <http://www.seer.ufu.br/index.php/EducacaoFilosofia/article/view/1031/936>. Acesso em: 20 out. 2016. PASA, Maria C. Etnobiologia de uma comunidade ribeirinha no alto da bacia do rio Aricá Açu, Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. 2004.174 f. Tese (Doutorado em Ecologia e Ciências Naturais), Universidade Federal de São Carlos. Cuiabá, Mato Grosso, 2004. PIAGET. Jean. Para onde vai a educação? Rio de Janeiro: José Olympio, 1998. POSEY, D. A. Introdução: etnobiologia, teoria e prática. In: RIBEIRO, Darcy G. Suma etnológica brasileira. Petrópolis: Vozes/FINEP, 1986. ______. Indigenous ecological knowledge and development of the Amazon. In: MORAN, E. (Ed.). The dilemma of Amazonian development. Colorado: Westview Press, 1983. p. 225-257. POSNER, G.J.; STRIKE, K.A.; HEWSON, P.W.; GERTZOG, W.A. A concepção científica: rumo a uma teoria de mudança conceitual. Ciências da Educação, v. 66, p. 211-227, 1982. 179 POZO, Juan Ignácio; CRESPO, Miguel Angel Gómez. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico, 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006. PRATA, R. V.; MARTINS, I. Ensino de ciências e educação de jovens e adultos: pela necessidade de diálogo entre campos e práticas. Atas do V Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Bauru - SP, 2005. PROPP, Vladimir I. Morfologia do conto maravilhoso. Org. Boris Schnaiderman. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010. RAFFESTIN, CLAUDE. Por uma Geografia do poder. Tradução de Maria Cecília França. São Paulo: Ática, 1993. REALE, Miguel. Paradigmas da cultura contemporânea. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005. RICARDO, E. C. Competências, Interdisciplinaridade e Contextualização: dos Parâmetros Curriculares Nacionais a uma compreensão para o ensino das ciências. 2005. 257 f. Tese Investigações em Ensino de Ciências – V19(1), pp. 55-75, 2014(Doutorado em Educação Científica e Tecnológica) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2005. ROCHA-COELHO, F. B. 2009. O uso das plantas no cotidiano da comunidade quilombola Kalunga do Mimoso – Tocantins: um estudo Etnobotânico. Dissertação (Programa de Mestrado em Ciências do Ambiente) PGCiamb, Universidade Federal do Tocantins. ROVAI. E. Competência e competências: contribuição crítica ao debate. São Paulo: Cortez, 2010. SAMPAIO, Marisa N.; ALMEIDA, Rosilene S. Práticas de educação de jovens e adultos: complexidades, desafios e propostas. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2009. SANTIAGO, M.C; AKKARI, A. MARQUES, L. P. Educação intercultural: desafios e possibilidades. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. SANTOS, B. de S. A gramática do tempo: para uma nova cultura política. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2010. SANTOS, W. L.; MORTIMER, E. F. Concepções de professores sobre a contextualização social do ensino de Química e Ciências. Livro de Resumos da 22ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira de Química. São Paulo: SBQ, 1999. v. 3, resumo ED-070. SARUP, M. Identity, culture and the postmodern world. Edinburgh: Edinburgh University Press, 1996. SERRES, M. Roda Viva. Entrevistador: Paulo Markun. São Paulo, TV Cultura. DVD (ca 55 min) Legendado, 1999. 180 SEVERINO, Joaquim A. Metodologia do trabalho científico. 22 ed. Rev. e ampl. São Paulo: Cortez, 2007. SILVA, Tomaz T. da. Identidades terminais: as transformações na política da pedagogia e na pedagogia da política. Petrópolis, RJ: Vozes, 1996. SILVEIRA, R. L. B. L. da. Competências e habilidades pedagógicas. Revista Ibero-Americana de Educação, Fortaleza, 2010. Disponível em: <http://www.rieoei.org/deloslectores/490Barros.pd> Acesso em: 12 mar. 2015. SILVEIRA, Rosa Maria H. Estudos culturais para professor@s. Canoas: Ed. ULBRA, 2008. SOEIRO, Kelma A. Currículo e formação de professores: construção coletiva dialogada. In: SAMPAIO, Marisa Narcizo; ALMEIDA, Rosilene Souza. Práticas de educação de jovens e adultos: complexidade desafios e propostas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009. SOUZA, Nilton do Nascimento. Plantas medicinais: Etnobotânica na várzea do Mamirauá et al. Manaus: ed. S.F.R. Rocha, F.M. Scarda,2003. SPINK, Mary J. P. Desvendando as teorias implícitas: uma metodologia de análise das representações sociais. In: GUARESCHI, P.; JOVCHELOVITCH, S. (Ogs.). Textos em representações sociais. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995. STEPHENS, J. Language end ideology in children´s literature. New York: Longman Publishing, 1992. STOER, Stephen. Construindo a escola democrática através do campo da recontextualização pedagógica. In: Revista da Associação de Sociologia e Antropologia da Educação. Educação, Sociedade e Culturas, nº 1, p. 07-27. Ed Afrontamento: Porto, 1994. STOLTZ, Tania. As perspectivas construtivistas e histórico-cultural na educação escolar. 3. ed. Curitiba: IBPEX, 20011. STURTEVANT, W. C. Studies in ethnoscience. American Anthropologist, v. 66, n. 3, p. 99-131, 1964. TARDIF, Maurice; LESSARD, Claude. O trabalho docente: elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013. THE PLANT LIST MISSOURI BOTANICAL GARDEN, SAINT LOUIS. Disponível em: <http://www.tropicos.org>. Acesso em: 25 mar. 2016. THIESEN, Juares da S. A interdisciplinaridade como um movimento articulador no processo ensino-aprendizagem. Revista Brasileira de Educação, v. 13 n. 39 set./dez. 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v13n39/10.pdf>. Acesso em: 20 out. 2016. TORRES, J.R.; GEHLEN, S.; MUENCHEN, C.; GONÇALVES, F.P.; LINDEMANN, R.H.; GONÇALVES, F.J.F. Ressignificação curricular: contribuições da investigação temática e da 181 análise textual discursiva. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 8, n. 2, p. 1-13, 2008. TURCHI, Maria Z. Literatura e antropologia do imaginário. Brasília: UnB, 2003. UNESCO. V Conferência Internacional sobre Educação de Adultos: declaração final e agenda para o futuro. Brasília: MEC/SEF, 1998. VEIGA BRANCO, A. Competência emocional: um estudo com professores. Coimbra: Quarteto, 2004. VIERTLER, Renate B. Métodos antropológicos como ferramenta para estudos em etnobiologia e etnoecologia. In: AMOROZO, Maria C. de Mello; MING, Liu Chang; SILVA, Sandra Pereira da (Orgs.). Métodos de coleta e análise de dados em etnobiologia, etnoecologia e disciplinas correlatas. Rio Claro: UNESP/CNPq, 2002. p. 11-29. VIGOTSKY, L.S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1984. ______. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1987. VULBEAU, A. A educação ao longo da cidade. In: BROUGÈRE, G.; ULMANN, Anne-Lise. Aprender pela vida cotidiana. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. XOLOCOTZI, E. H. El concepto de Etnobotânica. In: BARRERA, A (ed.). La etnobotânica: três puntos vista y una perspectiva. Xalapa. Instituto Nacional de Investigadores sobre Recursos Bióticos. p. 19-24 il. 1983. WITTMANN, Florian e tal. Manual de árvores de várzea da Amazônia Central:taxonomia,ecologia e uso.Manaus: ed. INPA,2010. WITKOSKI, Antônio C. Terras, florestas e água de trabalho: os camponeses amazônicos e as formas de uso de seus recursos naturais. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2010. YOUNG, Michael. Para que servem as escolas. In: PEREIRA, Maria Zuleide da Costa; CARVALHO, Maria Eulina Pessoa de; PORTO, Rita de Cássia Cavalcanti (Orgs.). Globalização, interculturalidade e currículo na cena escolar. Campinas, SP: Editora Alinea, 2009.por
dc.rightsAcesso Abertopor
dc.rights.urihttp://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/-
dc.subjecteducação de jovens e adultospor
dc.subjectetnociênciaspor
dc.subjectensino aprendizagempor
dc.subjectensino de ciênciaspor
dc.subjectinterdisciplinaridadepor
dc.subject.cnpqENSINO-APRENDIZAGEM::METODOS E TECNICAS DE ENSINOpor
dc.subject.cnpqEDUCACAO::ENSINO-APRENDIZAGEMpor
dc.titleAproximações das representações de ciências por estudantes da educação de jovens e adultos em comunidades rurais de Tefé-Am à etnocienciapor
dc.title.alternativeApproaches of science representations by students of youth and adult education in rural communities from Tefé-Am to ethnoscienceeng
dc.typeTesepor
Appears in Collections:TESES - PPGECA

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
Aproximações das representações de ciências por estudantes Tese.pdfDocumento Principal - Tese5,76 MBAdobe PDFThumbnail

Download/Open Preview


This item is licensed under a Creative Commons License Creative Commons